ANVISA aprova o uso de trifluridina + cloridrato de tipiracila para pacientes com câncer gástrico metastático previamente tratados

3 min. de leitura

Trifluridina + cloridrato de tipiracila (FTD/TPI – conhecida por TAS102) é uma quimioterapia oral, bem tolerada, e representa uma nova opção terapêutica para pacientes com câncer gástrico metastático, incluindo adenocarcinoma da junção gastroesofágica, previamente tratados com pelo menos dois regimes anteriores. 

A partir de 06 de setembro de 2021, a ANVISA aprovou a nova indicação de trifluridina + cloridrato de tipiracila para pacientes com câncer gástrico metastático, incluindo adenocarcinoma da junção gastroesofágica, previamente tratados com duas linhas anteriores de tratamento. O câncer gástrico é a terceira principal causa de morte relacionada ao câncer e representa o quinto tipo de câncer mais comum em todo o mundo. Os tratamentos sistêmicos utilizados têm baixa eficácia e a sobrevida global mediana para a doença ainda é baixa, de aproximadamente 1 ano. Neste sentido, há uma grande necessidade de novas terapias que supram as necessidades de pacientes com câncer gástrico avançado pré-tratado após progressão ou intolerância a duas ou mais linhas anteriores de quimioterapia, incluindo uma fluoropirimidina, um agente de platina, um taxano ou irinotecano (ou ambos), e uma terapia anti-HER2 (em pacientes com doença HER2-positiva).  

A FTD/TPI é uma medicação já aprovada no Brasil para o tratamento de pacientes adultos com câncer colorretal metastático que tenham sido previamente tratados com as quimioterapias disponíveis ou que não são considerados candidatos para tais tratamentos. Esta nova indicação, recentemente aprovada pela ANVISA, teve como base os dados do estudo clínico TAGS. 

O TAGS foi um estudo de fase 3, randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, realizado em 110 hospitais acadêmicos em 17 países. Pacientes com 18 anos ou mais com adenocarcinoma gástrico metastático confirmado histologicamente, não ressecável (incluindo adenocarcinoma da junção gastroesofágica), que receberam pelo menos dois regimes de quimioterapia anteriores para doença avançada e tiveram progressão radiológica foram elegíveis para inclusão. Os pacientes foram designados aleatoriamente (2:1) para receber FTD/TPI oral (35mg/m²/dose duas vezes ao dia nos dias 1-5 e dias 8-12 a cada 28 dias) e os melhores cuidados de suporte, ou placebo mais os melhores cuidados de suporte. O desfecho primário do estudo foi a sobrevida global. A eficácia foi avaliada na população com intenção de tratar, e a segurança foi avaliada em todos os pacientes que receberam pelo menos uma dose de tratamento.  

507 pacientes foram designados aleatoriamente, 337 para o grupo FTD/TPI e 170 para o grupo placebo. A sobrevida global mediana foi de 5,7 meses (IC 95% 4,8–6,2) no grupo FTD/TPI e 3,6 meses (3,1–4,1) no grupo placebo (HR 0,69; IC 95% 0,56–0,85; p unilateral=0,00029, p bilateral=0,00058). Eventos adversos de grau 3 ou mais, por qualquer causa, ocorreram em 267 (80%) pacientes no grupo FTD/TPI e 97 (58%) no grupo placebo. Os eventos adversos mais frequentes, por qualquer causa, de grau 3 ou mais, foram neutropenia (n=114 [34%]) e anemia (n=64 [19%]) no grupo FTD/TPI e dor abdominal (n=15 [9%]) e deterioração geral da saúde física (n=15 [9%]) no grupo do placebo. Eventos adversos graves, por qualquer causa, foram relatados em 143 (43%) pacientes no grupo FTD/TPI e 70 (42%) no grupo placebo. Uma morte relacionada ao tratamento foi relatada em cada grupo (devido à parada cardiorrespiratória no grupo FTD/TPI e devido à hepatite tóxica no grupo do placebo). 

Indo além, foi realizada, também, uma análise de subgrupo não planejada e exploratória do estudo TAGS, cujo objetivo foi avaliar separadamente a eficácia, segurança e impacto na qualidade de vida de FTD/TPI quando usado no cenário de terceira linha (3L) e tratamento de quarta linha ou posterior (4L+). Esta análise confirmou a eficácia e segurança de FTD/TPI em pacientes com câncer gástrico metastático na terceira e linhas posteriores, evidenciando um benefício de sobrevida global. A mediana de sobrevida global para o grupo de 3L tratado com TAS-102 foi de 6,8 meses, versus 3,2 meses para o grupo placebo (HR: 0.68; IC 95%: 0.47-0.97; P=0.0318). Para o grupo 4L+, a sobrevida global mediana foi de 5,2 versus 3,7 meses (HR: 0.73; IC 95%: 0.55-0.95; P=0.0192) para FTD/TPI e placebo, respectivamente. 

De acordo com esses dados, conclui-se que FTD/TPI melhorou significativamente a sobrevida global em comparação com o placebo e foi bem tolerado nesta população pré-tratada de pacientes com câncer gástrico avançado. Tendo isto em vista, FTD/TPI pode ser uma nova opção de tratamento nesta população, que até então apresentava uma necessidade médica não atendida. Em vista da eficácia e tolerabilidade da trifluridina + cloridrato de tipiracila, pesquisas futuras explorando o tratamento em novos regimes de combinação podem ser desenvolvidas.  

 

Referências: 

  1. Shitara K, et al., Trifluridine/tipiracil versus placebo in patients with heavily pretreated metastatic gastric cancer (TAGS): a randomised, double-blind, placebo-controlled, phase 3 trial. Lancet Oncol. 2018 Nov;19(11):1437-1448. doi: 10.1016/S1470-2045(18)30739-3. Epub 2018 Oct 21. Erratum in: Lancet Oncol. 2018 Dec;19(12):e668. PMID: 30355453. 
  2. Tabernero J, et al., Trifluridine/tipiracil versus placebo for third or later lines of treatment in metastatic gastric cancer: an exploratory subgroup analysis from the TAGS study. ESMO Open. 2021 Aug;6(4):100200. doi: 10.1016/j.esmoop.2021.100200. Epub 2021 Jun 25. PMID: 34175675; PMCID: PMC8253956. 
  3. Bula do Medicamento LONSURF (trifluridina/tipiracil) aprovado na ANVISA. 
Send this to a friend