Enzalutamida mais ADT no tratamento do câncer de próstata metastático sensível à castração

3 min. de leitura

A enzalutamida + ADT reduziu o risco de progressão metastática ou morte ao longo do tempo versus placebo mais ADT no CPSCm, incluindo homens com doença de baixo volume e/ou docetaxel prévio

A enzalutamida é um potente antagonista não esteroidal do receptor de andrógeno, que aumentou a sobrevida global em homens com câncer de próstata metastático e não metastático resistente à castração.  

A eficácia e a segurança da enzalutamida no câncer de próstata metastático sensível à castração (CPSCm) foi avaliada no ARCHES (NCT02677896), um estudo multinacional, duplo-cego, de fase III, em que 1.150 homens com CPSCm foram aleatoriamente designados 1:1 para enzalutamida (160 mg/dia) ou placebo, associados à terapia de privação androgênica (ADT), estratificada pelo volume da doença e quimioterapia prévia com docetaxel. O desfecho primário foi a sobrevida livre de progressão radiográfica. A sobrevida global (SG) foi um desfecho secundário chave. 

Em 28 de maio de 2021 (mediana de acompanhamento, 44,6 meses), 154 dos 574 pacientes aleatoriamente designados para enzalutamida mais ADT e 202 dos 576 pacientes aleatoriamente designados para placebo mais ADT haviam morrido. Enzalutamida mais ADT reduziu o risco de morte em 34% versus placebo mais ADT (mediana não alcançada em nenhum dos grupos; taxa de risco, 0,66; IC 95%, 0,53 a 0,81; P <0,001). Enzalutamida mais ADT continuou a melhorar a rPFS e outros desfechos secundários. Os eventos adversos foram geralmente consistentes com relatos anteriores de uso prolongado de enzalutamida. Em conclusão, enzalutamida mais ADT prolonga significativamente a sobrevida versus placebo mais ADT em pacientes com mHSPC. 

Resultados 

Observou-se que o risco de progressão radiográfica ou morte foi significativamente reduzido com enzalutamida mais ADT versus placebo mais ADT (HR 0,39; IC 95% 0,30 a 0,50; P 0,001; mediana não alcançada versus 19,0 meses). Melhorias significativas semelhantes na sobrevida livre de progressão radiográfica foram relatadas em subgrupos pré-especificados com base no volume da doença e na terapia prévia com docetaxel. 

Na análise final do estudo, após uma mediana de acompanhamento de 44,6 meses (maio de 2021), 54 dos 574 pacientes aleatoriamente designados para enzalutamida mais ADT e 202 dos 576 pacientes aleatoriamente designados para placebo mais ADT haviam morrido. Desta forma, a combinação de enzalutamida mais ADT reduziu o risco de morte em 34% versus placebo mais ADT (mediana não alcançada em nenhum dos grupos; HR, 0,66; IC 95%, 0,53 a 0,81; P <0,001). O benefício de redução do risco de progressão radiográfica foi consistente na análise final, com a mediana ainda não alcançada para enzalutamida mais ADT versus 40,5 meses para placebo mais ADT (HR, 0,38; IC 95%, 0,31 a 0,48). 

A enzalutamida mais ADT reduziu significativamente o risco de progressão do PSA, início de nova terapia antineoplásica, primeiro evento esquelético sintomático, resistência à castração e progressão da dor.  

Mais homens atingiram um nível indetectável de antígeno prostático específico e/ou uma resposta objetiva com enzalutamida mais ADT (P = 0,001). Os pacientes em ambos os grupos de tratamento relataram um alto nível basal de qualidade de vida, que foi mantido ao longo do tempo.  

Eventos adversos de grau 3 ou superior foram relatados em 24,3% dos pacientes que receberam enzalutamida mais ADT versus 25,6% dos pacientes que receberam placebo mais ADT, sem eventos adversos inesperados. 

Os autores concluem que a enzalutamida com ADT reduziu significativamente o risco de progressão metastática ou morte ao longo do tempo versus placebo mais ADT em homens com CPSCm, incluindo aqueles com doença de baixo volume e/ou docetaxel prévio, com uma análise de segurança consistente com o perfil da enzalutamida em ensaios clínicos anteriores para câncer de próstata resistente à castração.  

 

Referências: 

  1. Armstrong AJ, et al. ARCHES: a randomized, phase III study of androgen deprivation therapy with enzalutamide or placebo in men with metastatic hormone-sensitive prostate cancer. Journal of Clinical Oncology. 2019 Nov 10;37(32):2974. 
  2. Armstrong AJ, et al. Improved Survival With Enzalutamide in Patients With Metastatic Hormone-Sensitive Prostate Cancer. DOI: 10.1200/JCO.22.00193 Journal of Clinical Oncology. Published online April 14, 2022. PMID: 35420921 
Send this to a friend