Qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS) no câncer de próstata metastático sensível à castração

2 min. de leitura

A enzalutamida foi associada à melhora da sobrevida livre de deterioração para qualidade de vida geral, função física e função cognitiva, pois os atrasos na progressão da doença superaram as deteriorações precoces nos aspectos da QVRS, segundo dados do estudo ENZAMET

A enzalutamida é um potente antagonista não esteroidal do receptor de andrógeno, que aumentou a sobrevida global em homens com câncer de próstata metastático resistente à castração. O ENZAMET (NCT02446405), um estudo de fase III, internacional, randomizado, demonstrou que a enzalutamida versus escolha do médico (bicalutamida, nilutamida ou flutamida), combinados à terapia de privação androgênica, foi superior em sobrevida global quando administrada em pacientes recém diagnosticados com câncer de próstata metastático sensível à castração. A determinação dos efeitos da enzalutamida na qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS) foi um objetivo secundário pré-especificado do ENZAMET. 

A QVRS foi avaliada com o questionário de qualidade de vida da Organização Europeia para Pesquisa e Tratamento do Câncer nas semanas 0, 4, 12 e depois a cada 12 semanas até a progressão da doença. A sobrevida livre de deterioração foi de atribuição aleatória até a morte mais precoce, progressão clínica, descontinuação do tratamento do estudo ou piora de 10 pontos ou mais no baseline para fadiga, função física, função cognitiva e qualidade de vida geral. Os escores de QVRS variam de 0 a 100 (do mais baixo ao mais alto possível). 

Resultados 

A QVRS foi avaliada em 1.042 de 1.125 participantes (93%). As diferenças nas médias favoreceram o uso da enzalutamida para fadiga (5,2; IC 95% 3,6 a 6,9; P < 0,001), função cognitiva (4,0; IC 95% 2,5 a 5,5; P < 0,001) e função física (2,6; IC 95% 1,3 a 3,9; P < 0,001), mas não para qualidade de vida geral (1,2; IC 95% -0,2 a 2,7; P = 0,1).  

As taxas de sobrevida livre de deterioração em 3 anos e os valores P favoreceram a enzalutamida versus controle para qualidade de vida geral (31% versus 17%; P < 0,0001), função cognitiva (31% versus 20%; P = 0,001) e função física (31% versus 22%; P < 0,001), mas não para fadiga (24% versus 18%; P = 0,16). Os efeitos da enzalutamida na QVRS foram independentes das características basais. 

Os autores concluem que a enzalutamida foi associada ao agravamento da fadiga autorrelatada, função cognitiva e função física, mas não da qualidade de vida geral. A enzalutamida foi associada à melhora da sobrevida livre de deterioração para qualidade de vida geral, função física e função cognitiva porque os atrasos na progressão da doença superaram as deteriorações precoces nesses aspectos da QVRS. 

 

Referências: 

  1. Stockler MR, et al. Health-related quality of life in metastatic, hormone-sensitive prostate cancer: ENZAMET (ANZUP 1304), an international, randomized phase III trial led by ANZUP. Journal of Clinical Oncology. 2021. 
Send this to a friend