Transplante de medula óssea exige revacinações

2 min. de leitura

Após o procedimento do transplante de medula óssea, é fundamental que o paciente seja revacinado, inclusive contra a gripe e Covid-19, para que o organismo recrie a memória imunológica e combata eventuais infecções

João Prats, infectologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, alerta que pacientes submetidos ao transplante de medula óssea (TMO) devem tomar novamente todas as vacinas que já tinham recebido ao longo da vida. O médico afirma que a revacinação permite que o sistema imunológico do paciente reaprenda a combater agentes infecciosos que até a realização do procedimento eram reconhecidos e neutralizados pelo organismo. Sem a nova vacinação, a pessoa transplantada fica sujeita a inúmeras doenças, entre elas algumas que já tinham se transformado em fatos do passado como catapora, caxumba e rubéola. 

O médico da BP faz uma metáfora com a informática para explicar o que ocorre no corpo. “O transplante de medula óssea promove um reset no sistema imunológico, apagando todos os programas anteriormente guardados na memória. O corpo esquece como combater as infecções que já conhecia antes do transplante. A cada vacinação, o sistema imunológico adquire um novo programa de defesa. Com o transplante, todos eles desaparecem e têm de ser novamente instalados”, diz. 

O que ocorre em cada tipo de transplante 

A medula óssea é um tecido que funciona como berçário das células que compõem nosso sangue (glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas). Todas elas se formam e se diferenciam a partir de células-tronco. No transplante autólogo, o paciente recebe células-tronco da própria medula óssea; no alogênico, ele as recebe de um doador. Geralmente, o transplante autólogo é adotado no tratamento de mieloma múltiplo e de linfoma; e o alogênico, nas leucemias. 

Estratégia imunológica 

Após o transplante, as células de memória e as demais células da medula óssea vão se recompondo. Mas somente dois anos depois do procedimento (às vezes um pouco mais no caso do transplante alogênico, conforme o uso dos imunossupressores) é que a maioria dos pacientes recupera a capacidade de resposta para as vacinas, ou seja, o corpo está apto para registrar de forma correta esses novos ‘programas de defesa’. 

“Mas é importante lembrar que é justamente nos primeiros tempos após o transplante que os pacientes estão mais vulneráveis a infecções. Assim, é importante começar a refazer a carteira de vacinação já a partir do terceiro mês do procedimento, mesmo que nesse momento o sistema imunológico ainda tenha pouca capacidade de memória”, diz o infectologista. 

Nos dois primeiros anos após o transplante são aplicadas apenas as vacinas consideradas seguras para esses pacientes: as que não utilizam vírus ou bactérias vivos, como as da gripe, pneumonia e Covid-19. Mesmo conferindo uma proteção menor quando comparada à proteção dada às pessoas em plena condição de saúde, as vacinas são importantes para os transplantados, pois ainda promovem um certo nível de proteção. 

O médico ainda ressalta que “A conscientização dos pacientes, familiares e cuidadores para a importância da vacinação pós-transplante para recompor os programas de defesa é fundamental”. 

Send this to a friend