Tratamento para o câncer de mama HER2+ apresenta prognóstico não relacionado à idade dos pacientes ao diagnóstico

3 min. de leitura

O estudo clínico APHINITY, avaliou a influência da idade das pacientes ao diagnóstico na resposta ao tratamento para câncer de mama HER2-positivo com quimioterapia adjuvante pertuzumabe mais trastuzumabe

O valor de mau prognóstico de pacientes jovens no momento do diagnóstico parece variar de acordo com o subtipo do câncer de mama. Embora o benefício da terapia anti-HER2 em mulheres jovens com câncer de mama tenha sido estudado principalmente na doença de receptor hormonal positivo (RH+), existem evidências limitadas. Considerando que a idade tem sido historicamente uma justificativa para tratamento excessivo, são necessários novos esforços de pesquisa para investigar melhor o valor prognóstico e preditivo da idade. Nesse sentido, a análise exploratória conduzida no estudo  APHINITY teve como objetivo investigar o valor prognóstico e preditivo de idade jovem em pacientes com câncer de mama precoce HER2+ tratados com quimioterapia moderna e tratamento anti-HER2 concomitante. 

 APHINITY é um ensaio internacional, controlado por placebo, duplo-cego, randomizado, de fase III em pacientes com câncer de mama precoce HER2-positivo que  investigou o benefício da adição de pertuzumabe a quimioterapia adjuvante mais trastuzumabe. Para efeitos da presente análise, foi usada como ponto de corte 40 anos de idade na inscrição, para distinguir entre coortes jovens (≤ 40 anos) e mais velhos (> 40 anos). A sobrevida livre de doença invasiva (SLDi) foi o desfecho primário. A SLDi, independentemente do braço de tratamento e o benefício da adição de pertuzumabe, foi avaliada em todos os pacientes, comparando as coortes jovens e mais velhas e, em seguida, foram avaliadas de acordo com o status do receptor hormonal. Uma análise STEPP foi também conduzida para ilustrar uma possível heterogeneidade de efeito de tratamento com base na idade. 

 Dessa maneira, de 4.804 pacientes na população ITT, 768 (16,0%) tinham ≤40 anos no momento da inscrição. A partir daí, foi visto que pacientes na coorte jovem tinham menos sobrepeso/obesidade (29,3% vs. 50,4%), foram submetidos a mastectomia mais frequentemente (63,2% vs. 52,6%), tiveram taxas mais altas de linfonodo positivo (66,4% vs. 61,8%) e RH + (71,7% vs.64,9%) em comparação com aqueles na coorte mais velha (todos p <0,05). Entre os pacientes com RH + que receberam terapia endócrina adjuvante na coorte jovem (n = 498), 132 (26,5%) foram submetidos a supressão da função ovariana, enquanto 324 (65,1%) receberam tamoxifeno sozinho. O acompanhamento mediano global foi de 74 meses (IQR 62-75 meses). A SLDi de 6 anos foi de 88% e 89% nas coortes jovens e mais velhas, respectivamente. Em análises univariadas e multivariadas, a pouca idade não foi determinante de prognóstico (HR 1,06 não ajustado; IC 95% 0,84-1,33; HR ajustado 1,07; IC 95% 0,84-1,35), nem como variáveis ​​contínuas (HR 1,00 não ajustado; IC 95% 1,00-1,01). A falta de efeito prognóstico da idade foi observada independentemente do status do receptor de hormônio e do braço de tratamento. Nenhuma interação significativa foi observada entre a idade e o efeito do tratamento (P interação = 0,605). Além disso, adição de pertuzumabe melhorou a SLDi para ambas coortes dos pacientes jovens (SLDi de 6 anos 89% vs. 87%; ajustado HR 0,86; IC 95% 0,56-1,32) e mais velhos (SLDi de 6 anos 91% vs. 88%; HR ajustado 0,75; IC 95% 0,62-0,92). Por fim, ao analisar o valor preditivo potencial da idade de acordo com o status do receptor hormonal, resultados semelhantes foram observados. A análise STEPP confirmou o benefício do pertuzumabe na SLDi de 6 anos em subpopulações de idade. 

 Tendo em vista os resultados apresentados, concluímos que em pacientes com câncer de mama precoce HER2-positivo tratados com terapias modernas, a idade não demonstrou valor prognóstico e/ou preditivo no acompanhamento a longo prazo. Essa avaliação se mostrou independente do status do receptor hormonal e modalidades de tratamento anti-HER2. Esses resultados podem ajudar a melhorar o atendimento de mulheres jovens com câncer de mama, destacando que, a idade por si só não é um motivo para esperar um resultado de doença ou benefício do tratamento diferente. 

 

Referências:
P2-13-42 – Matteo Lambertini et al., Effect of young age at diagnosis on clinical outcomes and efficacy of anti-HER2 targeted therapy in patients with HER2-positive early breast cancer: Results from the APHINITY trial

Send this to a friend