Combinação de enzalutamida e abiraterona em Câncer de Próstata metastático resistente à castração

< 1 min. de leitura

O Dr. Sandro Cavallero, oncologista clínico do Hospital Adventista de Belém e do Centro de Tratamento Oncológico (PA), comenta o estudo Alliance A031201, apresentado no primeiro dia da ASCO 2019, um dos maiores congressos de oncologia clínica e hematologia do mundo, que ocorre este ano de 31 de maio a 04 de junho, em Chicago (EUA).

O estudo avaliou pacientes com câncer de próstata metastático resistente à castração (CPRCm) que não haviam recebido terapia hormonal prévia, randomizados para receber enzalutamida (ENZ) como tratamento padrão ou a combinação de ENZ e abiraterona (ABI) e prednisona, concomitantemente à terapia de privação androgênica (androgen deprivation therapy – ADT).

O trabalho foi negativo para o desfecho primário de sobrevida global (SG), com medianas de 33,6 (ENZ) vs. 32,7 (ENZ/ABI) meses e HR 0,90, apontando que a combinação ENZ/ABI não parece trazer vantagens em relação à monotemática nesse cenário. Também não houve diferença no desfecho secundário de sobrevida livre de progressão radiológica (SLPr), mas, como observou o Dr. Sandro, houve uma importante correlação entre a SLPr e a SG, comprovando dados anteriores que já apontavam a SLPr como potencial surrogate endpoint para SG.

Send this to a friend