Daratumumabe como tratamento de primeira linha de pacientes com mieloma elegíveis para transplante

< 1 min. de leitura

O onco-hematologista Jacques Tabacof, do Centro Paulista de Oncologia – Grupo Oncoclínicas, comenta os resultados do estudo CASSIOPEIA, com pacientes com mieloma múltiplo elegíveis para transplante de medula óssea.

O estudo comparou a administração de violed, talidomida e dexametasona com e sem daratumumabe (dara-VTD vs. VTD) em 1085 pacientes, que receberam quatro ciclos do tratamento, transplante autólogo de medula óssea e mais dois ciclos. O desfecho primário foi a remissão completa após os dois ciclos de consolidação. Para Tabacof , “os resultados são nitidamente positivos, com 23% dos pacientes com dara-VTD atingindo esse desfecho, assim como 20% do grupo sem o anticorpo”. O PFS também foi superior e a doença residual mínima foi 64% das vezes negativa no braço experimental. “Os resultados se somam aos do daratumumabe em situação de refratariedade e em pacientes não elegíveis para transplante.

Também não houve nenhum impacto negativo na possibilidade de transplantar os pacientes, sendo que 90% deles tiveram boas coletas e boas evoluções no transplante”, completa o onco-hematologista. 

Send this to a friend