Novas drogas para o tratamento de câncer de mama metastático ER+ HER- garantem longevidade, e cada vez mais independência da quimioterapia

< 1 min. de leitura

A oncologista clínica da BP, Dra. Débora Gagliato, fala a respeito de sua apresentação sobre terapias emergentes para câncer de mama metastático ER+ HER- no Breast Cancer Review.

Focando-se em drogas promissoras para o tratamento pós-progressão em inibidores de ciclina, a Dra. comentou novidades como a aprovação do alpelisibe pela Anvisa, para tratamento de pacientes com mutação na PI3K. Tratou também da crescente importância que os moduladores seletivos do receptor de estrógeno, com drogas mais potentes do que o tamoxifeno, e de drogas que fazem uma regulação negativa da expressão do receptor de estrógeno, com intensidade mais potente do que a do fulvestranto, como o elacestranto.

“Esse é um campo bastante fértil, e nós discutimos na aula tudo o que vem sendo explorado no cenário de pacientes para as quais, cada vez mais, a quimioterapia tem sido uma opção longínqua. Com o advento dessas novas drogas que vem aí para serem inseridas no arsenal terapêutico, nós temos garantido que essas pacientes tenham um tempo de vida muito mais prolongado, prescindindo o uso de quimioterapia cada vez mais”, afirmou a Dra. Gagliato.

O Breast Cancer Review ocorre no dia 23 de novembro, no Hotel Four Seasons São Paulo, e é organizado pela Oncologia Brasil com apoio da AstraZeneca, Lilly e GeneOne. Confira a cobertura e acesse as aulas.

Send this to a friend